Douro quer promover-se à boleia de Fernão Magalhães e na realidade virtual

O projeto “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World” é promovido pela Associação dos Empresários Turismos do Douro e Trás-os-Montes (AETUR) e foi apresentado hoje, em Vila Real.

“Fernão Magalhães foi o primeiro turista global, foi um homem pioneiro e nós queremos aproveitar esse ativo da nossa região que teve uma projeção mundial”, afirmou o presidente da AETUR, Luís Marques.

Sabrosa, no distrito de Vila Real, é uma das localidades do Norte do país que reivindica ser a terra natal do navegador que protagonizou a primeira viagem de circum-navegação.

O objetivo é, segundo Luís Marques, promover o Douro na senda de Magalhães, divulgando pelo mundo os vinhos, gastronomia, a paisagem, património e a cultura deste território, classificado pela Unesco em 2001.

Divulgar, promover e depois "concretizar negócios" para a região.

O projeto faz também uma forte aposta tecnológica e quer, inclusive, tornar o Douro na primeira “região do mundo a ter um levantamento exaustivo em realidade virtual”.

Samuel Tapada, que integra o “Magellan World”, salientou o “cunho inovador e pioneiro” desta ação que visa criar, desenvolver e disponibilizar conteúdos de realidade virtual e permitir viajar pelo Douro, através de um computador ou um smartphone.

Em curso está a inventariação de 115 locais espalhados pelo património mundial, desde centros históricos, miradouros, passeios em barco rabelo ou o Museu do Douro, que vai ser possível visitar gratuitamente e com recurso apenas a uns óculos de realidade virtual sincronizados com plataformas ‘online’, como o YouTube ou o Google.

Este sistema, frisou, “antecipa na região a próxima tendência tecnológica que influenciará o mundo digital nos próximos anos”.

Samuel Tapada referiu que se pretende que esta tecnologia esteja disponível até meados de outubro, altura em que se realiza a primeira ação de promoção externa do Douro, no âmbito do projeto.

Esta missão leva a região até São Paulo onde decorrerão encontros com operadores turísticos, jornalistas e empresários portugueses que vivem no Brasil.

Em 2017, realiza-se uma segunda ação externa em Buenos Aires, Argentina.

Já este mês, entre os dias 17 e 22, decorre uma visita de 34 jornalistas estrangeiros que vão experienciar o Douro, conhecer as paisagens, o património, as quintas, provar os vinhos e a gastronomia.

O projeto “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World” resulta de uma candidatura ao Programa Norte 2020 de cerca de 790 mil euros, com uma comparticipação comunitária de 671 mil euros, e prolonga-se até dezembro de 2017.

O objetivo é, depois, efetuar mais candidaturas para, até 2020, o Douro seguir viagem pelos outros países por onde passou Fernão Magalhães, como as Filipinas.

O projeto conta com a parceria de várias entidades como a Comunidade Intermunicipal do Douro, o Museu do Douro, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, o Douro Filme Harvest ou a Câmara de Sabrosa.

Envolve ainda a Rede Mundial das Cidades Magalhânicas, que junta cidades e localidades a nível mundial e está a preparar a candidatura da Rota de Magalhães a Património Mundial da UNESCO.

Pretende-se que esta candidatura da Rota de Magalhães a Património Mundial possa estar concluída em 2019, ano em que arrancam as comemorações dos 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão Magalhães.

In: Sapo Notiícias


Projeto junta o Douro e o navegador Fernão Magalhães

O Douro vai utilizar a história e fama do navegador Fernão Magalhães para promover os seus vinhos, paisagens e património pelo mundo, no âmbito de um projeto de 790 mil euros que inclui viagens pela região em realidade virtual. O projeto “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World” é promovido pela Associação dos Empresários Turismos do Douro e Trás-os-Montes (AETUR) e foi apresentado esta quinta-feira, em Vila Real.

O projeto faz também uma forte aposta tecnológica e quer, inclusive, tornar o Douro na primeira “região do mundo a ter um levantamento exaustivo em realidade virtual”.

Samuel Tapada, que integra o “Magellan World”, salientou o “cunho inovador e pioneiro” desta ação que visa criar, desenvolver e disponibilizar conteúdos de realidade virtual e permitir viajar pelo Douro, através de um computador ou um smartphone.

Em curso está a inventariação de 115 locais espalhados pelo património mundial, desde centros históricos, miradouros, passeios em barco rabelo ou o Museu do Douro, que vai ser possível visitar gratuitamente e com recurso apenas a uns óculos de realidade virtual sincronizados com plataformas ‘online’, como o YouTube ou o Google.

O “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World” resulta de uma candidatura ao Programa Norte 2020 de cerca de 790 mil euros, com uma comparticipação comunitária de 671 mil euros, e prolonga-se até dezembro de 2017. O objetivo é, depois, efetuar mais candidaturas para, até 2020, o Douro seguir viagem pelos outros países por onde passou Fernão Magalhães, como as Filipinas.

O projeto conta com a parceria de várias entidades como a Comunidade Intermunicipal do Douro, o Museu do Douro, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, o Douro Filme Harvest ou a Câmara de Sabrosa. Envolve ainda a Rede Mundial das Cidades Magalhânicas, que junta cidades e localidades a nível mundial e está a preparar a candidatura da Rota de Magalhães a Património Mundial da UNESCO.

Pretende-se que esta candidatura da Rota de Magalhães a Património Mundial possa estar concluída em 2019, ano em que arrancam as comemorações dos 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão Magalhães.

IN: Sapo Viagens


115 locais do Douro vão estar disponíveis em 360º

A região do Douro vai estar disponível através de conteúdos de realidade virtual. A Associação dos Empresários Turismos do Douro e Trás-os-Montes (AETUR) vai fazer o levantamento de 115 locais e experiências da região, como quintas, miradouros, centros históricos ou passeios de barco, e vai disponibilizá-los através da realidade virtual.

“Vamos inventariar, pelo menos, 115 locais para divulgar o território pelo público e pelos operadores turísticos”, explicou o presidente da AETUR, Luís Marques. Esta iniciativa está inserida num projeto “O Douro à volta do mundo – Magellan World”, que pretende promover a região na senda do navegador Fernão Magalhães e tornar o Douro na “primeira região do mundo a ter um levantamento exaustivo em realidade virtual”.

Samuel Tapada, responsável pela área tecnológica do projeto, destacou o “cunho inovador e pioneiro” desta ação que visa “criar, desenvolver e disponibilizar conteúdos de realidade virtual e permitir viajar pelo Douro, através de um smartphone”. “A utilização de óculos de realidade virtual, sincronizados com plataformas como o You Tube, permite que as pessoas possam experienciar de forma aproximada a realidade do Douro”, explicou. Os conteúdos devrão estar disponíveis a partir de outubro, de forma gratuita.

O objetivo do projeto “O Douro à Volta do Mundo – Magellan World” é, segundo Luís Marques, “promover o Douro na senda de Magalhães, divulgando pelo mundo os vinhos, gastronomia, a paisagem, património e a cultura deste território”, classificado pela Unesco em 2001. “Fernão Magalhães foi o primeiro turista global, foi um homem pioneiro e nós queremos aproveitar esse ativo da nossa região que teve uma projeção mundial”, afirmou o presidente da AETUR.

Outra das iniciativas inlcui, entre 17 e 22 de setembro, uma visita de 34 jornalistas estrangeiros que vão experienciar o Douro, conhecer as paisagens e o património, provar os vinhos e a gastronomia. O projeto resulta de uma candidatura ao Programa Norte 2020, no valor de cerca de 790 mil euros, com uma comparticipação comunitária de 671 mil euros, e prolonga-se até dezembro de 2017.

IN: Notícias de Vila Real


DIA DO ALTO DOURO VINHATEIRO PATRIMÓNIO MUNDIAL

O Espaço Miguel Torga, em Sabrosa, acolhe a 14 de dezembro as comemorações do Dia do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial, com um programa para diferentes públicos, que evoca o património da região demarcada e que destaca o trabalho em rede que se pretende continuar a promover.

Passados 14 anos da classificação da UNESCO como Património Mundial, as comemorações arrancam pelas 10h30 com uma oficina de escrita criativa e leituras encenadas com textos de Miguel Torga, ações dirigidas à comunidade escolar local. Segue-se a inauguração, nas imediações do Espaço Miguel Torga, da escultura “Feitoria da Alma”, de Gracinda Marques.

Pelas 15h00 realiza-se o seminário “O Douro e os Caminhos do Património Mundial”, que servirá para destacar o trabalho promovido em rede por bens que receberam da UNESCO o selo de Património Mundial, bem como para apresentar os projetos “Caminho dos Incas” e “Rota de Magalhães”. A participação na sessão está sujeita a inscrição prévia pelo email gabinete.comunicacao@ccdr-n.pt .

O Dia do Alto Douro Vinhateiro é uma organização da CCDR-N, através da Missão Douro, da Câmara Municipal de Sabrosa, da Comunidade Intermunicipal do Douro e da Liga dos Amigos do Douro Património Mundial.

Apresentações

Caminhos do Douro
Joel Cleto, Historiador

Apresentação da Rede Nacional de Sítios Património Mundial
Helena Teles, Missão do Douro/CCDR-N (Download Filme da Rede Nacional)

O Caminho dos Incas (“bem em série PM UNESCO”)
Américo Juan Castilla, representante da Argentina

Rota de Magalhães e o seu valor universal excecional
José Manuel Nuñes, Historiador (Download Filme Ciudades Tocadas)